Publicações de cursos

Práticas estéticas da diáspora asiática
Ana Paulina Lee e Will Geary

Este livro de Tome faz parte do curso de 2017 de mídia digital híbrida “Mapeando as práticas estéticas decoloniais”, ministrado conjuntamente pela professora Ana Paulina Lee e pelo instrutor de mapeamento digital Will Geary, no Departamento de Culturas Latino-Americanas e Ibéricas da Universidade de Columbia.

Teorias e práticas decoloniais

Os estudos decoloniais, surgidos predominantemente da América Latina, chamam a atenção para o fato de que os legados do colonialismo ou a “colonialidade” não só não acabaram como permeiam quase todos os aspectos de nossas vidas: a subjetividade, a raça, o gênero, a linguagem, assim como nossas pedagogias e epistemologias. Este curso de 2019 examinou alguns dos elementos básicos da colonialidade e as teorias e práticas que estudiosos e artistas desenvolveram para contestar os processos contínuos de “epistemicídio”.

Como o movimento cria significado
Debra Levine

“Como o movimento cria significado” foi um curso intensivo de teatro e dança na NYU, Abu Dhabi, em 2018, sobre dramaturgia e dança. A professora de teatro Debra Levine colaborou com o coreógrafo Aakash Odedra durante sua residência no Centro de Artes da NYU Abu Dhabi para criar uma oportunidade de aprendizado experimental. O curso estudou o processo criativo de coreografar um trabalho motivado pela atual crise de refugiados. Utilizando as técnicas da dramaturgia da dança, o curso investigou a maneira em que a coreografia cria significado através de corpos em movimento, e encontrou formas em que um dramaturgo pode contribuir para esse processo.

Arte, migração e direitos humanos
Diana Taylor, Marcial Godoy-Anativia e Jesusa Rodríguez

Em agosto de 2015, um grupo de 38 estudantes, professores, pesquisadores, fotógrafos, cineastas, artistas e ativistas, de 13 países diferentes, embarcaram num ônibus em San Cristóbal de las Casas para uma viagem de uma semana através do estado mexicano de Chiapas e das cidades ao seu redor. A viagem foi parte de um curso de três semanas sobre “Arte, migração e direitos humanos” oferecido pelo Instituto Hemisférico de Performance e Política.